Seguindo falando sobre arquitetura descomplicada vamos abordar um dos temas que mais desperta duvidas em administradores do Exchange Server, “Site Resiliente” ou para quem preferir, alta disponibilidade.

Por se tratar de alta disponibilidade não de servidor mas de  “Site” logo temos que levar em consideração os custos da operação, uma vez estando “local” em cada site temos que ter todo tipo de aporte, storage, switches, conectividade, servidores físicos, alimentação elétrica, refrigeração, etc… (por isso e tão difícil ver um site com resiliência)

Arquitetura Altamente Disponível 

Para obter uma arquitetura altamente disponível e resistente, você deve ter dois ou mais datacenters bem conectados, preferencialmente com baixa latência, sempre lembrando que a replicação e a experiência do cliente são afetadas de forma adversa, ou seja, tudo pode afetar a experiencia do cliente). Além disso, os data centers devem ser conectados por meio de caminhos de rede redundantes fornecidos por diferentes operadoras operacionais, por exemplo, você deve ser atendido por duas operadoras para conectar os dois ou mais datacenters, caso uma operadora fique “off line” a outra operadora é acionada para manter o serviço no ar.

A Microsoft Recomenda que em cada site exista um estrutura de Active Directory (AD), sendo assim, cada site vai ser seu próprio AD, seguem os motivos elencados pela Microsoft.

  1. A resiliência do site de transporte via redundância de sombra no Exchange Server e na rede de segurança no Exchange Server só poderá ser obtida quando o DAG tiver membros localizados em mais de um site do Active Directory.
  2. O Active Directory publicou orientações que afirmam que as sub-redes devem ser colocadas em diferentes sites do Active Directory quando a latência de ida e volta for maior do que 10 ms entre as sub-redes.
  • Clicando nos links você será levado aos sites da microsoft que tratam sobre o assunto.

Desta Forma a PA preferida para Exchange Server no que diz respeito a Site Resilente funcionaria da seguinte forma:

SITES

Obs:

  1. NameSpace externo seria o mesmo para todo ambiente
  2. NameSpace Interno seria destinado ao site relacionado
  3. A infraestrutura de um site deve refletir a do outro site
  4. A latência de rede deve ser a mais baixa possível
  5. É necessário envolvimento com toda a equipe de infraestrutura para obter os melhores resultados (Rede, Segurança, Comunicação)

Conclusão

Um Site Resiliente é caro, a implementação deve seguir as melhores praticas recomendada pela Microsoft ao máximo possível.

Voltarei neste assuno com mais detalhes ao termino desta serie sobre Exchange 2019, faremos em breve a construção de um Site Resiliente focando em toda a configuração desde a Camada 1 até a Camada 7, lembrando que devemos sempre observar as questões de rede para não termos problemas com replicação.

Na próxima postagem estarei falando ainda sobre Arquitetura Preferencial (PA) recomendada pela Microsoft, estaremos falando sobre Design de servidor.

Microsoft Exchange Server 2019 Step by Step